sexta-feira, 9 de julho de 2010

Resolvi postar esse artigo, pois muitos pais encontram dificuldade em encontrar profissionais capacitados para tratar o autismo. Há muitos profissionais que não tem conhecimento sobre a síndrome.

Autismo: como encontrar um médico

Encontrar um médico que entenda o autismo poderá ser um obstáculo, mas que você terá que ultrapassar. Por quê? Ao menos que o médico tenha tido experiência com autismo, é muito improvável que ele seja capaz efetivamente de ajudá-lo e tratar essa condição.

Autismo não é um simples transtorno invasivo do comportamento que pode ser melhorado ou curado com uma simples medicação ou algumas poucas visitas ao psiquiatra. É uma desordem muito séria que afeta cada pessoa diferentemente, tornando cada caso específico e único.

Contudo, se você ou o pediatra de seu filho suspeitam de autismo, é decisivo para a sua criança, e o futuro dela, que ela seja encaminhada a um especialista em diagnosticar e tratar as desordens do espectro autista. Isto significa que sua criança pode necessitar mais do que um médico ou profissinal especializado em autismo.

A lista a seguir é de profissionais especialistas que devem fazer parte da equipe multidisciplinar que uma criança autista, certamente em algum momento precisará.

Psiquiatra infantil: pode ajudar a determinar o diagnóstico inicial, prescrever medicações e ajudar o autista a lidar com as relações sociais e a desenvolver o seu comportamento emocional.

Psicólogo clínico:
especialista que entenda sobre a natureza e o impacto do autismo. Esse profissional deve conduzí-lo a um teste psicológico e assistí-lo no treino de habilidades sociais e modificação de conduta.

Pediatra: trata os problemas de saúde e os problemas relacionados a defasagens e atrasos do desenvolvimento.

Fonoaudiólogo: ajuda a desenvolver a comunicação, focalizando na linguagem e no uso da fala.

Terapeuta ocupacional: foca em ajudar o autista a desenvolver a prática da vida diária e auto-cuidados, como comer e se vestir adequadamente. Esse profissional pode ajudar ainda a adquirir habilidadesna coordenação motora grossa e fina e na integração sensorial.

Fisioterapeuta: ajuda a criança a se desenvolver motoramente através de exercícios para os músculos, nervos e ossos.

A partir do momento que você encontrar os profissionais que precisa, é essencial que você trabalhe junto com eles. A razão para isso é que embora o profissional tenha experiência com autismo, você é a pessoa mais experiente quando se trata de informações específicas relacionadas às habilidades e necessidades do seu filho.

Para você efetivamente colaborar e trabalhar junto com um profissional, você precisa:

Educar-se: aprender o máximo possível sobre autismo.
Preparar-se: escrever qualquer questão ou assunto relacionado à sua criança, ao autismo ou ao tratamento e debatê-lo com o profissional.
Libertar-se: você não tem que concordar com tudo que o profissional fala. Se você não concorda com uma recomendação, faça-se ouvir.

Se você está com dificuldades de saber aonde você pode encontrar especialistas em autismo, temos sugestões a seguir:

Na sua comunidade: visite o seu convênio médico, hospital, farmacêutico e pergunte se eles conhecem alguém especialista em diagnosticar e tratar o autismo. Mas lembre-se, mesmo que você seja indicado a um especialista, ele pode não ser a pessoa que você esteja procurando e deseja. Não tenha receio de questioná-lo sobre sua experiência.

Na internet: a internet é um fantástico meio de pesquisa e tem inúmeras e valiosas informações sobre autismo, como entender e ajudar efetivamente um autista.

Nos grupos de suporte: se envolver e fazer parte de um grupo de suporte criado para apoiar o autista e seus familiares, pode ser extremamente favorável para encontrar os profissionais, já que você pode pedir por recomendações. Os grupos de suporte também dão encorajamento nos momentos difíceis e te permite a oportunidade de discutir o autismo com outras pessoas que conhecem e sabem pelo o que você está passando.


Fonte: Autismo em foco

Nenhum comentário:

Postar um comentário